Ma Rainey's Black Bottom

Ma Rainey's Black Bottom ★★½

Em meados dos anos '20 uma simples gravação de uma música por Ma Rainey e sua banda culmina em uma amálgama de histórias, sonhos, discussões e ideais que mudará para sempre a vida de todos no local.

"A Voz Suprema Do Blues" se trata de um dos filmes que eu mais antecipava para a segunda metade de 2020. A proposta temática e o elenco mítico já deixava claro que este longa seria no mínimo curioso (e que geraria algum burburinho na temporada de premiações). Tendo agora esperado dois dias após ter visto a obra para deixá-la "caminhar na minha cabeça" e escrever meus pensamentos de forma coerente e concisa, me frustra relatar que "Ma Rainey's Black Bottom" é decepcionante em vários aspectos, principalmente em sua estrutura e narrativa.

Para ser breve, o filme não possui um andamento lógico ou uma história propriamente dita. A raiz que sustenta o roteiro são simples monólogos e discussões fúteis entre os personagens principais (fúteis porque na figura geral eles não contribuem em nada para a narrativa em andamento). Estes argumentos são cansativos, repetitivos e rompem o ritmo do longa, sendo introduzidos de forma notavelmente abrupta. O último conflito em especial, gerado após Toledo pisar nos sapatos novos de Levee, culmina em um desfecho mais humoroso do que necessariamente dramático.

Como uma grande porção da comunidade do Letterboxd tem afirmado, a característica mais forte de "A Voz Suprema Do Blues" são as performances. Todos estão merecidamente falando de Viola e Chadwick, mas alguns atores com menos importância na trama como Colman Domingo e Glynn Turman também merecem serem reconhecidos por suas atuações espetaculares. Para fechar este tópico, basta dizer que eu ficaria bastante satisfeito em ver tanto Viola Davis quanto Chadwick Boseman ganharem prêmios da Academia em 2021.

Em conclusão, "Ma Rainey's Black Bottom" não será lembrado pelo seu roteiro ou cinematografia, mas sim por entregar a última (e em minha opinião a melhor) performance de Chadwick Boseman. Ele certamente não faz parte da leva de melhores filmes de 2020, mas existem alguns aspectos de alta qualidade aqui que merecem ser reconhecidos.