Favorite films

  • Katatsumori
  • Still Walking
  • The Tale of the Princess Kaguya
  • Autumn Sonata

Recent activity

All
  • Wheel of Fortune and Fantasy

    ★★★★★

  • For a Few Dollars More

  • Linda Linda Linda

    ★★★★★

  • It's a Summer Film!

Recent reviews

More
  • Wheel of Fortune and Fantasy

    Wheel of Fortune and Fantasy

    ★★★★★

    Vendo Roda do Destino novamente, não pude evitar recordar uma crítica sobre A Mulher que Fugiu, do Hong Sang-soo, essa que começa com o relato do autor sobre como o filme recordava-o da crítica de Luc Moullet (então com 22 anos), no Cahiers dù Cinèma a Contos da Lua Vaga, de Mizoguchi: “A cada cena corresponde uma outra, semelhante no tema, mas diferente na forma: dois mortos pela lança, duas aparições de fantasmas, duas idas à cidade; por duas vezes…

  • Linda Linda Linda

    Linda Linda Linda

    ★★★★★

    A adolescência sob a lente do cinema. Sempre me interessei por como os japoneses retratam o amadurecimento (considerando que o come-of-age já se tornou até um estilo próprio). Talvez o olhar sob o momento, a fim de contemplá-lo, e não narrar ele, típico do cinema nipônico, faça com que tais contextos passem tão bem pela câmera dos realizadores. E ter o contato com Linda Linda Linda logo após rever Hana & Alice me traz tal questionamento.
    Fato é: o cinema é…

Popular reviews

More
  • Eternals

    Eternals

    O mais bizarro de eternos é q incontáveis foram os momentos em q eu sentia q havia ali uma beleza q a Chloe Zhao qria me mostrar, que o diálogo entre ela e eu poderia ser lindo, mas era estragado por algum vício artificial e insensível q a máquina de produção mainstream impôs.
    A cena do Phastos se despedindo da família, o final na praia, a descoberta de cada personagem sobre oq da valor a vida deles e dos outros,…

  • The Man Who Came To Kill

    The Man Who Came To Kill

    Interessante como o terror foi o primeiro passo de Iwai em sua carreira, tanto em Unknown Child quanto aqui. Interessante porque meu primeiro contato com o diretor foi através de Love Letter, que obviamente não tem nada de terror.
    Mas acho que é importante pontuar que a clara ligação entre as três obras citadas é a exploração de algum elemento místico para ilustrar o subjetivo dos personagens, aproveitando todos os elementos que a linguagem do cinema pode trazer. Aqui, a…