Neruda ★★★★★

English

Neuda 2016: A movie for lovers of poetry and cinema.

Watching Neruda for the first time was an experience I will never forget. I remember being extremely anxious for it's release, and to vibrate with every positive review that the film received. So, yes, my expectations were big, and fortunately I was not disappointed. However, I confess that my "obsession" with the movie only started a year after having watched it for the first time, and this happened after a class I had related to the construction of characters, but I will explain it better later.

Neruda is for me the masterpiece of the director Pablo Larraín, although "Jackie" and "No" received more attention. Larraín in all these films tackles political issues in a completely unusual setting, in "No" we see the Chilean military dictatorship in the eyes of an publicitary, and "Jackie" the death of a president in his wife's eyes. With Neruda it's no different.

I love everything about this movie, the performances are subtle but excellent, the camera moves in a heady way and we can say that the soundtrack and the cinematography are the cherry on this delicious cake. Oh, and also of course they have an excellent script.
To speak about Neruda first it’s necessary to understand that it is not a biography. Even though the film narrates a small part of the life of the poet Pablo Neruda, this story is almost completely fictional.


The plot has two main characters in a cat and mouse chase, it's the communism vs. fascism, where we have the story told by the character who represents the fascism. Even tho the movie is narreted in first person it is clear that the it has two point of view, because it's easy to noticed that the two characters are somehow ridiculized. And these characters are to me the highest point of the movie, with of course the stupendous cinematography that I will never get tired of mentioning and praising.

Like I said at the beginning, my obsession with this movie  began after attending a class about "character creation" where we learn that good characters have depth and good construction, but Neruda proves that they can come in another way and still satisfy who is watching. The Fascist character while is narrating the plot proclaims himself the protagonist all the time, but how can he be a protagonist if his story is summed up around pursuing Pablo Neruda? We never know anything big about him, it's like he were a force whose sole purpose is to find the man who pursues, and if he fails, he will cease to exist. In any other film this would be extremely negative, but in Neruda it' not.


Before the movie première I remember to watch an interview with Gael where he says that his character actually existed in real life, but for his creation nothing was researched for his creation, and when I watched the movie I understood why. We never really meet the fascist officer who is looking for Neruda. What we have is Neruda vision of him, and with that all the character poor construction is justified in a beautiful way. The poet was feeling bored and tired of hidding himself, and so he created the villain of his own story, making him pathetic and clumsy.

Poetry is part of stories or even incomplete stories. The object, the person or the feeling narrated by the poet is something of which most of the times he has a great contact and a complete history that we do not have access and he only shows us a small part, in short verses. Neruda is the transition from poetry to cinema, in the form of images and characters. His characters are incomplete and that's why they are poetic.

Português

Neruda 2016: Um filme para os amantes de poesia e cinema.

Assistir Neruda pela primeira vez foi uma experiência que jamais esquecerei. Lembro-me de estar extremamente ansiosa para o seu lançamento, e de vibrar a cada critica positiva que o filme recebia. Ou seja, minhas expectativas eram grandes, e felizmente não fui desapontada. No entanto confesso que minha “obsessão” pelo filme só começou um ano depois tê-lo assistido pela primeira vez, e isso se deu após uma aula que tive relacionada a construção de personagens, mas irei explicar isso melhor mais á frente.
Neruda é para mim a obra prima do diretor Pablo Larraín, ainda que “Jackie” e “No” tenham recebido maior atenção. Larraín em todos esses filmes aborda assuntos políticos em um cenário completamente inusitado, em “No” vemos a ditadura militar chilena aos olhos de um publicitário, e “Jackie” a perda de um presidente para um país e um marido para uma mulher. Com Neruda não é diferente.

Confesso que amo cada aspecto do filme Neruda, sua fotografia é de tirar o fôlego, as performances são sutis, no entanto excelentes, a câmera se movimenta de forma embriagadora e pode-se dizer que a trilha sonora é a cereja desse bolo delicioso. Além é claro de um excelente roteiro.

Para falar de Neruda primeiramente é necessário entender que ele não é uma biografia. Mesmo que o filme narre uma pequena parte da vida do poeta Pablo Neruda, essa é uma história quase que completamente fictícia.

A trama tem dois personagens principais em uma perseguição de gato e rato, é o comunismo vs o fascismo, onde temos a história narrada pelo personagem que representa o fascismo. Mesmo sendo uma narração em primeira pessoa fica claro que o filme apresenta duas visões, já que ao decorrer da trama notamos que os dois personagens são de certa forma, ridicularizados. E são esses personagens para mim o ponto mais alto da trama, junto novamente a sua fotografia estupenda que jamais cansarei de mencionar e enaltecer.

Como disse logo ao inicio, minha obsessão com esse filme se iniciou após assistir uma aula sobre criação de personagens onde foi apontado a necessidade de três fatores a ser estabelecidos: o físico, o social e o psicológico. Ou seja, aprendemos que bons personagens possuem profundidade e uma boa construção, mas Neruda nos prova que eles também podem vir de outra forma e ainda assim satisfazer o telespectador. O personagem fascista ao narrar a trama se proclama o protagonista durante todo o tempo, mas como ele pode ser um protagonista se sua história gira em torno de perseguir Pablo Neruda? Nunca sabemos nada concreto sobre ele, é como se ele fosse uma força que tem como seu único objetivo encontrar o homem que persegue, e caso falhe nisso, deixará de existir. Em qualquer outro filme isso seria algo extremamente negativo, mas em Neruda não.

Antes da estreia do filme lembro-me de ver uma entrevista onde Gael disse que o personagem interpretado por ele realmente existiu, mas que para sua criação não se pesquisaram nada sobre ele, e ao assistir o filme entendemos o porque. Nunca de fato conhecemos o policial facista que busca por Neruda, o que o filme nos mostra é a visão que Neruda possui deste policial, e com isso toda a sua vaga construção é lindamente justificada. O poeta estava em fuga e entediado, e por isso criou o vilão de sua própria história, tornando-o patético e atrapalhado.

Poesias são parte de histórias ou até mesmo histórias incompletas. O objeto, a pessoa ou o sentimento narrado pelo poeta é algo do qual na maioria das vezes ele possuí um grande contato e uma história completa que não temos acesso e ele apenas nos mostra parcialmente, em curtos versos. Neruda é a transição de poesia para o cinema, em forma de imagens e de personagens. Seus personagens são incompletos e por isso poéticos.