Y Tu Mamá También ★★★★★

English:
Y Tu Mamá También
“La vida es como la espuma, por eso hay que darse como el mar.”

I don’t usually write reviews here or any other place, but today one of my favorite movies of is turning 17 years old since its theatrical release, so I decided to make an exception.

I do not consider myself to be a specialist in Mexican cinema, but the little that I know, two of it’s best times were: the sixties with the arrival of Luis Buñuel in the country, and the early 2000 with the revolutionary works of the Three Friends (Iñárritu, Cuarón, Del Toro), and Y Tu Mamá También is part of it.

Y Tu Mamá También is a movie written by the brothers Cuarón (Carlos and Alfonso) and directed by Alfonso, who was already known for his works in movies like "A Little Princess" and "Great Expectations". I remember of watch an interview with Alfonso where he said that Y Tu Mamá También was the way he found to remember why he does what he does. Even tho Y Tu Mamá También is Alfonso's masterpiece, it ends up being forgotten in the midst of his filmography, the director is more remembered for his works on "Gravity", "Children of Men" and even "Harry Potter".

It's not that Y Tu Mamá also was not a success, actually, the movie is considered by many critics not only one of the best Mexican films of all time, but also one of the best "Road Movie" ever made. It was nominated for Golden Globe and BAFTA for Best Foreign Film, Oscar nominee for Best Original Screenplay, and even a Grammy nomination for it's soundtrack. And it doesn't end there, the movie wasn't just a success with the critics. Y Tu Mamá También got only $ 5 million of budget and it’s box office was 33.6 million. Even tho Y Tu Mamá También still show up in lists like "the sexyst movies of all time", people don't talk about the ovie like they used to or should do.

I'm here writing this passionate review with the intention of share all the love I feel for this movie, and expecting that this love get at least someone who will feel interested to watch this masterpiece and change the forgetfulness scenario that the movie seems to be now.

Y Tu Mamá También it's not only a Road movie, it's also a coming-of-age, who tells the story of two young mexican boys (Julio e Tenoch) middle class, who are bored after their girlfriends travel and leave them "alone". They spend their free time going to parties, using drugs and doing diving competitions. They define themselves as “the Charolastras”, and they have 11 rules that are broken during the movie.

In the first part of the film, we have lots of moments that describe very well the youth of many, and I believe that this was the reason why Alfonso and Carlos made the financial situation of their characters so evident at the beginning of the narrative. You can see the boys as futile, but you must remember that they are only reflections of the reality that they live. Julio and Tenoch, are not an unusual type of young people, they are what could be seen as the stereotype of the construction of Mexican or Latino masculinity.

You probably met someone who was like them, what make them different from the rest is the adventure they allow themselves to live. This adventure begins after their go to a wedding party of Tenoch's relatives, there they meet Luisa, who is a Spanish woman married to one of Tenoch's cousins. The two boys are enchanted by Luisa's beauty and invite her to go to a beach that does not even know if it really exist. She say "no" at first, but later she change her mind.

We then have the opportunity to get to know Luisa better, we watch her go to a doctor and get test results, we watch her getting a call from her husband in tears saying that he betrayed her, and we watch her reconsidering the invitation of the two young boys to board a trip to the beach. With that, even without specific direction, they go to an adventure where a unknown Mexico is revealed and also unknown feelings.

Y Tu Mamá También It's a movie that did a lot with a little. I would not be able to choose better people to bring this brilliant story to life. The cast is led by Maribel Verdú, Diego Luna and Gael García Bernal, who give us performances ranging from funny to emotional. The characters are extremely well built, Luisa, for example, is not there to be just an obstacle between the boys. She has her own story that is as interesting as theirs, and most of times even more.
Alfonso Cuarón makes magic with the cameras, and the cinematography of Emmanuel Lubezki made 90% with natural light is breathtaking. The choice of not having "background music" and its soundtrack being entirely of songs that are played through radio or other devices, is valid and interesting. The way the film speaks openly about sex is something else and the dialogues created by Alfonso and Carlos are fearless, funny and full of sensuality. However, my favorite aspect of the film is its third-person narration.

The anonymous voice of Daniel Giménez Cacho comes back and interrupts the scenes to make touching and relevant observations, sometimes these observations are descriptions of the characters' deepest feelings, he makes more easy our interpretation of what is about to happen, but at other times he talks about people who are not directly attached to this narrative. In the beginning of the movie, Julio and Tenoch are trapped in traffic, and in front of where they are, have a dead man on the highway. The narrator gives us the name of this man gives us his story, because Y Tu Mamá También is not only a because Y Tu Mamá También is not only a coming-of-age, road movie about sex, it's also brings a criticism about Mexican politics, violence and social inequality.

Even tho every single scene of this movie is special, I could not be hypocritical to name as the most striking another than the moment of "threesome" of Julio, Tenoch and Luisa. The fact that makes this scene so iconic is not only the reason that it's one of the best sex scenes in movie history, but the kiss of Julio and Tenoch that was able to generate multiple interpretations. I have read a lots of reviews from various platforms regarding this movie, and I will talk about the top three readings made.

The first one is that Julio and Tenoch were not in love and did not have any feelings for each other other than their friendship, and that their kiss was nothing more than the result of drunkenness and excitement.

The second states that Julio was in love with Tenoch, but his feelings were not reciprocated, isso é porque o Julio começou o beijo and he did not seem to be sorry for what he did, while Tenoch throws up when he wakes up and remembers what happened the night before.

The third, however, believes they were both in love with each other and that this is remarkable due to their attitudes throughout the film, since all the discussions began after Julio see Tenoch in an intimate moment with Luisa. Of course you can believe that they were actually jealous of Luisa, but this already loses meaning when we remember that they had just met Luisa and it is unlikely that they were able to nurture such strong feelings in such a short time, beyond the fact that they took her there with the same intention, they were both aware that they both wanted to have sexual relations with her. Julio and Tenoch also claim to have slept with each other's girlfriends, but this was never confirmed and even if it were true this could again be seen as something related to those oppressed feelings they felt for each other, because even in a peculiar way, maybe it's the way they found it to feel closer from each other.

The feelings of Julio and Tenoch were unknown and hidden by both, from the moment they revealed the desire and what they felt, they didn't know how to deal with that, it was like opening a box which revealed an object that they did not know its usefulness and so were afraid to use it. And with Luisa, we have an incredible woman who decides to enjoy life. The connection she establishes with the boys and the other people and places she has contact during her journey to the beach is something sensitive and lovely.

I've read more than one person saying that this movie is the definition of what it is to be: Young, Wild and Free. And I honestly would not be able to describe it with better words. Y Tu Mamá También, talks about how there is a whole world around us that we are not able to see because we are too busy stuck in our own. Y Tu Mamá También, shows that we are human beings, and as human beings we are subject to fall in love and to desire other human beings, regardless of gender. Y Tu Mamá También it’s a movie about love, death and inequality. Y Tu Mamá También it’s a movie about LIFE.

Portugês

Y Tu Mamá También
“La vida es como la espuma, por eso hay que darse como el mar.”

Eu não costumo escrever reviews aqui ou em nenhum outro lugar, mas como hoje um dos meus filmes favoritos de todos os tempos está completando 17 anos desde sua estreia aos cinemas, resolvi abrir uma exceção.

Não me considero uma especialista do cinema Mexicano, mas o pouco que sei, duas de suas melhores épocas foram: os anos 60 com a chegada de Luis Buñuel ao país, e os anos 2000 com as revolucionarias obras dos Three Amigos (Iñárritu, Cuarón, Del Toro), Y Tu Mamá También está entre os grandes lançamentos dessa época.

Y Tu Mamá También é um filme escrito pelos irmãos Cuarón (Carlos e Alfonso) e dirigido por Alfonso, o qual já era um diretor mundialmente conhecido devido aos seus trabalhos em filmes como “A Little Princess” e “Great Expectations”. Lembro-me de ver a uma entrevista de Alfonso onde ele dizia que Y Tu Mamá También foi à forma que ele encontrou em relembrar porque ele fazia o que fazia. Mesmo sendo uma obra prima de Alfonso, Y Tu Mamá También acaba sendo esquecido em meio a sua filmografia, o diretor costuma ser mais relembrado por seus trabalhos em Gravity, Children of Men e até mesmo Harry Potter.

Não é que Y Tu Mamá También não tenha sido um sucesso, muito pelo contrário, o filme é considerado por muitos críticos não apenas um dos melhores filmes Mexicanos de todos os tempos, como também um dos melhores “Road Movie” já feitos. Ele conseguiu indicação ao Globo de Ouro e ao BAFTA na categoria de melhor filme estrangeiro, ao Oscar de melhor roteiro original e até mesmo ao Grammy por sua trilha sonora. E não para por ai, já que não foi somente com os críticos que o filme fez sucesso, o orçamento de Y Tu Mamá También foi de apenas 5 milhões e eles arrecadaram em bilheteria mais de 6 vezes desse valor, sendo um total de 33,6 milhões. Ainda que volta e meia Y Tu Mamá También apareça em listas como: “Os filmes mais sexys de todos os tempos”, ou “filmes LGBT’s” (sendo que, se caso alguém for assisti-lo pelo segundo motivo, pode se decepcionar um pouco), hoje em dia não é visto tantos comentários com relação ao filme.

Estou aqui, escrevendo essa review apaixonada na intenção de compartilhar todo o amor que sinto por esse filme, e na esperança de que esse amor atinja ao menos alguém que se sinta interessado em conferir essa obra prima, e que aos poucos mude esse cenário de esquecimento que ela parece habitar.

Y Tu Mamá También não é apenas um Road Movie, ele é também um coming-of-age, que narra a história de dois jovens mexicanos (Julio e Tenoch) de classe média alta, que se encontram entediados após suas namoradas viajarem e os deixarem “sozinhos”. Eles gastam seu tempo livre, indo á festas, se drogando e fazendo competições de mergulho. Eles se definem como Charolastras e possuem um manifesto que se constituí de 11 itens, os quais alguns são quebrados ao decorrer da narrativa.

Na primeira parte do filme, nos deparamos com momentos que descrevem muito bem a juventude de muitos, e acredito que esta tenha sido a razão para que Alfonso e Carlos deixaram tão evidente a situação financeira de seus personagens logo ao inicio da narrativa. Você pode ver os garotos como seres fúteis, mas precisa se lembrar que eles são apenas reflexos da realidade em que viviam. Julio e Tenoch, portanto, não são um tipo incomum de jovens, eles são o que poderia ser visto como o estereótipo da construção da masculinidade mexicana ou latina. Você provavelmente conheceu alguém que se assemelhe a eles, o que os diferencia dos demais é a aventura que se permitiram viver. Essa aventura se inicia após sua ida a uma festa de casamento de parentes do Tenoch, lá eles conhecem Luisa (nossa terceira protagonista) uma mulher espanhola casada com um dos primos de Tenoch. Os dois se encantam com a beleza da mulher e a convidam para ir a uma praia que nem se quer sabiam se realmente existia. Luisa mesmo educada ignora a investidas dos rapazes, pelo menos até esse momento.

Temos em seguida a oportunidade de conhecer melhor Luisa, a vemos indo a um médico e recebendo resultados de exames, a vemos atender uma ligação de seu marido aos prantos dizendo que a traiu, e por fim a vemos reconsiderando o convite dos dois jovens em embarcar a uma viagem para a praia. Com isso, os três embarcam, mesmo que sem rumo especifico, a uma aventura onde é revelado um México e sentimentos desconhecidos por eles.

Y Tu Mamá También é um filme que fez muito com pouco. Eu não seria capaz de escolher pessoas melhores para darem vida a essa brilhante história. O cast é liderado por Maribel Verdú, Diego Luna e Gael García Bernal, os quais nos entregam performances que vão de descontraídas a comoventes. Os personagens são extremamente bem construídos, Luisa, por exemplo, não está ali para ser apenas um obstáculo entre os garotos. Ela tem sua própria história que é tão interessante quanto a deles, ou em certos momentos chega a ser ainda mais. Alfonso Cuarón faz mágica com as câmeras, e a fotografia de Emmanuel Lubezki feita 90% com luz natural é de tirar o fôlego. A escolha de não possuir “musica de fundo” e sua trilha sonora ser inteiramente de canções que são tocadas através de rádios ou outros aparelhos, é válida e interessante. A forma como o filme fala abertamente sobre sexo é algo a mais, os diálogos criados por Alfonso e Carlos são destemidos, engraçados e repletos de sensualidade. No entanto, meu aspecto favorito do filme é a sua narração em terceira pessoa.

A voz anônima de Daniel Giménez Cacho volta e meia interrompe as cenas para fazer observações tocantes e relevantes, algumas vezes essas observações são descrições dos mais profundos sentimentos dos personagens, ele facilita a nossa interpretação do que esta por acontecer, mas em outros momentos ele fala sobre pessoas que não estão diretamente ligadas a essa narrativa. Logo ao início do filme, Julio e Tenoch estão presos no transito, e a frente, esta um homem morto na rodovia, o narrador nos dá o nome desse homem nos dá a história dele, porque Y Tu Mamá También não é apenas um Road Movie coming-of-age sobre sexo, ele também nos traz uma grande critica ao cenário político mexicano, a violência e a desigualdade social.

Mesmo que cada cena deste filme seja especial, eu não poderia ser hipócrita a nomear como a mais marcante outra que não fosse o momento do “three some” de Julio, Tenoch e Luisa. O fator que leva essa cena ser tão icônica não é apenas ela ser uma das melhores cenas de sexo da história do cinema, mas sim o beijo de Julio e Tenoch que foi capaz de gerar múltiplas interpretações. Eu li inúmeros comentários de diversas plataformas com relação a este filme, e irei pontuar as três principais leituras feitas.

A primeira delas é de que Julio e Tenoch não estavam apaixonados e nem possuíam nenhum sentimento um pelo outro a não ser o de amizade, e que o beijo deles nada mais foi do que resultado de uma grande bebedeira e excitação.

A segunda leitura afirma que Julio estava apaixonado por Tenoch, mas que seus sentimentos não eram correspondidos, isso se dá devido ao fato de Julio ter iniciado o beijo, e não parecer estar arrependido do que fez, enquanto Tenoch vomita ao acordar e se recordar do que aconteceu na noite anterior.

A terceira leitura, no entanto, acredita que ambos estavam sim apaixonados um pelo outro e que isso é notável devido suas atitudes ao longo do filme, já que todas as discussões se iniciaram após Julio ver Tenoch em um momento intimo com Luisa. É claro que pode-se acreditar que eles na verdade estivessem com ciúmes de Luisa, mas isso já perde sentido quando nos recordamos que eles haviam acabado de conhecer Luisa e é improvável que conseguiram nutrir sentimentos tão fortes em um tempo tão curto, além do fato de que eles a levaram para lá com o mesmo intuito, os dois estavam cientes de que ambos pretendiam ter relações com ela. Outro ponto são as supostas traições. Julio e Tenoch alegam ter dormido com as namoradas um do outro, tal fato nunca é confirmado e mesmo que se fosse verdade, isto poderia ser novamente visto como algo relacionado a esses sentimentos oprimidos que eles sentiam um pelo outro, afinal, mesmo que de uma forma totalmente peculiar, talvez seja o jeito que eles encontraram de se sentirem mais próximos. Os sentimentos de Julio e Tenoch eram desconhecidos e ocultados por ambos, a partir do momento que revelaram o desejo e o que sentiam, não sabiam como prosseguir com isso, foi como abrir uma caixa a qual revelava um objeto que eles desconheciam sua utilidade e por isso tinham medo de utiliza-lo.

Quanto a Luisa, temos uma mulher incrível que decide aproveitar a vida. A conexão que ela estabelece com os garotos e com as outras pessoas e lugares que ela tem contato durante sua jornada até a praia, é algo sensível e encantador, no qual apenas não irei me aprofundar para não correr o risco de dar um grande spoiler a que está lendo a essa review, mas ainda não assistiu ao filme.

Já li mais de uma pessoa dizer que este filme é a definição do que é ser: Jovem, Selvagem e Livre. E eu, honestamente, não seria capaz de descrevê-lo com melhores palavras. Y Tu Mamá También, fala sobre como existe um mundo inteiro ao nosso redor que não somos capazes de ver porque estamos ocupados demais presos em nossos próprios mundos. Y Tu Mamá También, mostra que somos seres humanos, e como seres humanos estamos sujeitos a nos apaixonar e a desejar a outros seres humanos, independente do gênero. Y Tu Mamá También é um filme sobre amor, morte e desigualdade. Y Tu Mamá También é um filme sobre a VIDA.