The Tsugua Diaries

The Tsugua Diaries ★★★★

O marmelo podre é o filme numa cápsula. Começamos por vê-lo - no início do filme - totalmente em decomposição, até chegar - quase no final - à sua aparência inicial de fruta madura e saudável, acabada de colher. Tal fenómeno acontece devido à narrativa (se lhe podermos assim chamar) ser cronologicamente inversa. Quando o marmelo é colhido é-nos dado a conhecer o processo criativo que esteve na origem da sua inserção no filme, em um dos vários (e hilariantes) momentos metalinguísticos que vão ocorrendo. Esta e outras rimas vão-se sucedendo em cada cena/episódio/dia. É impossível ver o tempo a passar por um marmelo sem nos lembrarmos de Víctor Erice, como o Luís Miguel Oliveira já tão certeiramente referiu. E devem haver poucos elogios maiores do que a comparação com o cineasta espanhol, num filme repleto de pequenos momentos, quase banais, mas que dizem tanto sobre o tempo e sobre a vida.

Bruno liked this review