Favorite films

  • Citizen Kane
  • The Night of the Hunter
  • The Rules of the Game
  • Sunrise: A Song of Two Humans

Recent activity

All
  • Rebel Without a Cause

  • Fear

  • Le Plaisir

  • Gentlemen Prefer Blondes

Recent reviews

More
  • Rebel Without a Cause

    Rebel Without a Cause

    A LEI DO CORAÇÃO
    por Jean Domarchi

    (“La loi du coeur”, Cahiers du Cinéma N°59, p. 36-37, maio de 1956)

    O God! That it were possible
    To undo things done, to call back yesterday
    That time might turn up his swift sandy glass
    To untell the days and to redeem these hours

    THOMAS HEYWOOD, A woman killed with kindness

    Há momentos em que o senso crítico é inadequado, até mesmo ofensivo, sórdido. Algumas obras reivindicam e conseguem um total abandono…

  • Fear

    Fear

    UM GRANDE CLÁSSICO
    por Jean Domarchi

    (“Un grand classique”, Cahiers du Cinéma N° 62, p. 41-43, agosto-setembro de 1956)


    Eis aqui, sem dúvida, o filme feito para encantar os especialistas [1]. Se preferir, eis a obra-prima do cinema “intimista”, resultado de uma experiência que pudemos perceber em Viagem à Itália, onde se prolongou e acentuou algumas dessas intenções. Elogiemos sem ressalvas, portanto, a seriedade do tom, a deliberada recusa de um sentimentalismo que vem enfraquecendo toda a produção italiana, da…

Popular reviews

More
  • Vertigo

    Vertigo


    A HÉLICE E A IDEIA
    por Éric Rohmer

    (“L' hélice et l'idée”, Cahiers du Cinéma N°93, março de 1959)

    “Ele mesmo, por si mesmo, consigo mesmo, sendo sempre uniforme”

    Platão ¹

    Teríamos muito bem perdoado Alfred Hitchcock por sequenciar o austero “O Homem Errado” com um trabalho mais leve, mais como um apelo ao público. Essa talvez tenha sido sua intenção quando decidiu trazer o romance de Boileau e Narcejac, “D’entre les morts”, à tela. No entanto, a natureza esotérica…

  • Le Plaisir

    Le Plaisir

    LE PLAISIR ¹
    por Jean-Luc Godard

    (Cahiers du Cinéma N°81, março de 1958, p. 20)


    Os CAHIERS se envergonham até hoje por não terem falado disso na época. Le Plaisir (que título admirável!²) é o mais ophülsiano dos filmes de Max Ophüls. É Liebeleï e ainda assim Lola Montès. É o romantismo alemão numa porcelana de Limoges. É também o impressionismo francês num espelho de Viena. Eis o cineasta que joga com a dificuldade e vence a cada lance de…