Guernica

Guernica ★★★★½

Utilizando o mesmo recurso de curtas anteriores, Alain Resnais parte de obras da arte plástica, pinturas e esculturas, feitas por Picasso, para evocar a experiência desumana do bombardeamento da cidade de Guernica pelos nazi-fascistas aliados de Franco durante a Guerra Civil Espanhola, principalmente a partir da célebre pintura de Picasso, que tão bem soube representar o horror do acontecimento. Além de deslocar seu interesse anterior de uma personalidade para um evento histórico, o diretor também deixa de lado a narração mais objetiva em proveito do subjetivo, da poesia; acredito que tal escolha não está só ligada a uma experimentação de linguagem, que veremos ser desenvolvida em suas obras seguintes, mas também ao próprio tema, já que seria impossível dar conta de uma experiência tão radical de sofrimento humano através de qualquer discurso pretensamente objetivo. Resnais deu um passo adiante.