Emicida: AmarElo - It's All for Yesterday ★★★★★

Emicida: AmarElo - É Tudo Pra Ontem é uma aula de história, história essa que deveria ser contada nas escolas brasileiras. Aqui Emicida narra e celebra uma parte, não só da cultura negra brasileira, mas também do povo preto e como isso influenciou na sua vida e na criação do igualmente ótimo álbum: AmarElo. Além de ter influenciado na vida do cantor, a cultura negra mudou e muda até hoje a vida de todos os brasileiros, ainda que tentem esconder isso. Esse documentário é um dos melhores e mais importantes filmes de 2020, ele mostra a luta (ainda não acabada) da comunidade negra para conseguir seu espaço, seja no país inteiro, ou no Teatro Municipal, palco da emocionante apresentação do álbum AmarElo, feito por negros e assistido por negros que nunca haviam sequer pisado no teatro. 

Leandro Roque de Oliveira juntamente com os demais realizadores do filme, além de construir a mensagem, fizeram também um ótimo documentário por si só, existem três linhas temporais, que se transformam eu uma só, por isso tem tanta qualidade e sentimento aqui, é o trabalho de uma vida: a narração do Emicida contando a história do povo preto; a criação do álbum; e a apresentação do álbum, onde tudo isso é unido: a história, as histórias, as referências e os influenciados. Isso é feito através de arquivos, animações e é claro, música. A música capaz de emocionar e ensinar. 

O filme (e o álbum) abrem o olho pra outras questões como o movimento feminista e LGBT+, indo de Lélia Gonzalez a Pablo Vittar. Também acontece uma conexão com o presente, uma das primeiras mortes por coronavírus foi uma empregada doméstica que pegou a doença da sua patroa. O doc mostra e compara lindamente essa situação com o passado da população preta, que os brancos tentaram corromper, como foi apresentado anteriormente no filme.

Encerrando com referência ao gênio Belchior, Emicida fala o que o primeiro já havia dito: “E assim já não posso sofrer no ano passado.” Emicida completa: “É sobre o hoje, pra que o ontem não volte a ser amanhã; É Tudo Pra Ontem”. 

Emicida nos presenteou mais uma vez, agora com um dos melhores filmes do ano, emocionante, educativo, importante, vibrante, inspirador, é lindo de se ver e ouvir. Tamanha é a genialidade que você não precisa nem gostar da música dele pra gostar do filme.

Tudo que eu falei aqui, e nem é meu lugar de fala, é pouco pra representar toda a obra, mas foi o que eu senti, pessoalmente me emocionei a ponto de chorar umas três vezes, e precisei escrever, um pouco precoce talvez, então apenas sejam “Sujeitos de Sorte” e assitam.