20 filmes 90

pretendia participar da votação dos melhores filmes dos anos 90, mas a ansiedade em elencar o que é Melhor começou a me consumir... então fiz essa lista de filmes que gosto ou considero particularmente interessantes pra aproveitar que dediquei o mês a visitar alguns filmes da época. deixei comentários!

  • The Enclosed Valley

    1.The Enclosed Valley

    ajuda a organizar o pensamento... como uma meditação. e mesmo a pretensão de dar aulas é levada com um bom humor - não é tão grande coisa assim.

  • Eyes Wide Shut

    2.Eyes Wide Shut

    quase todas as questões importantes da década estão aqui

  • The Third Bank of the River

    3.The Third Bank of the River

    amo esse filme... ele condensa os primeiros contos do Guimarães de uma forma tão graciosa... que o realismo mágico é um dos modos de expressão mais politicamente poderosos da América Latina já se sabe... mas além disso tem uma filosofia anti-dicotômica, antecipa a discussão da construção de Brasília no cinema, é cheio de composições plásticas incríveis sobre a morte (citadas de maneira esquisita em Bacurau)... e faz tudo isso levando a magia a sério, na contramão da tendência dos filmes que usam o recurso deixando claro que é só "brincadeira pra você entender política"... afinal, se é pra abrir mão do poder mágico, pra que a invocação? (dois filmes noventistas que não coloquei na lista mostram muito bem a diferença que faz acreditar no milagre dos efeitos visuais, Celine e Les amants du pont-neuf...)... é só que parece que os cinéfilos esqueceram do filme porque não tem "grandes enquadramentos", "grande roteiro" ou porque acharam o áudio esquisito, eu não entendo, sério...

  • Antigone

    4.Antigone

    assisti logo no começo da pandemia. ele me deixou muito afetada, de uma maneira que nunca vou esquecer. para um momento em que nos tiram a concentração e a memória, Antígona tem um poder invocativo especial, uma reivindicação pela nossa vocação de lembrar e de prestar atenção. ouvir e proferir. mo vibe...

  • Killed the Family and Went to the Movies
  • Demonia

    6.Demonia

    esse filme é muito fino e bonito e triste.

  • Green Snake

    7.Green Snake

    celebração dos sentidos... fora a audácia de fazer piada com o budismo, fazer piada com o taoísmo, tornar o animismo suspeito e ainda assim ser benévolo com todos eles porque ser melhor não quer dizer nada. os bichos querem chorar, os monges querem deixar de chorar... mas é precioso sentir, viver, ser animal. é um filme moralmente muito libertador, anti-evolutivo, anti-purificação. e tem dança do ventre.

  • Voices Through Time

    8.Voices Through Time

    pra assistir com o volume bem alto e deixar os ruídos da vida possuírem a gente.

  • A Moment of Romance

    9.A Moment of Romance

    gostei muito desse melodrama... até a maneira como a fábula é exageradamente misógina me leva a gostar dele... se não fosse misógina, cairia como um prazer fugitivo com fim trágico externo aos personagens (o que poderia ser divertido, mas sei lá) enquanto aqui consegue instaurar uma dinâmica de desejo e de repulsa fiel à frustração da juventude noventista... e por isso tão triste e emocionante. quando vi entendi o motivo de eu não ter curtido muito o Hard Boiled, também dos anos 90. Hard Boiled é mesmo um balé do filme de tirinho, mas tem algo de pastiche moral que me faz resistente... enquanto ele tenta justificar que a morte de um monte de marmanjo é abstracionismo e impedir a morte de um bebê é a contra-medida suficiente pra um sorrisinho (é pessoal o fato de eu detestar especificamente essa permuta clássica), em A Moment of Romance a estilização não neutraliza, ela distende... os conflitos deformados pela música, pela moda, pela fantasia... e assim ele não domestica a gente a suportar estímulos maiores de violência por dopamina, antes, nos apresenta uma sinestesia exagerada, que nos conduz a sentir um pouco de tudo (é para isso que serve o melodrama afinal!) sei lá se faz sentido, mas pra mim faz sentido!!

  • For Ever Mozart

    10.For Ever Mozart

    comprei esse dvd junto ao de Pulp Fiction quando estava na oitava série, foi o meu primeiro Godard. logo no começo o filme congelava e começava uma narração esquisita e o filme ia passando e ficando mais descompassado e eu não entendi, mas fiquei intrigada. assisti de novo em seguida e voltava na cena da praia para rever. há anos não o assisto, não sei o que acharia dele hoje, mas aprendi alguma coisa com ele.

  • The Last Days of Disco

    11.The Last Days of Disco

    The Last Days of Disco é "perspicaz"... no texto, nos vestidos, na postura dos personagens, na mixagem do som, impressionante. curiosamente trata do mesmo assunto que trata o La Belle Noiseuse: imergimos em um círculo de amizade que faz parte de uma cena artística, e encontramos graves defeitos de caráter. assistimos a comédia de costumes se desenrolar, enquanto os personagens performam as suas artes. em La Belle temos o pintor e a musa, aqui temos Chloe Sevigny e Kate Beckinsale "servindo tudo".

  • Dracula

    12.Dracula

    eu poderia fazer um longo argumento mas estética metalcore alucinante e Mina transformada em safada é suficiente pra mim

  • Cemetery Man

    13.Cemetery Man

    assisti Cemetery Man com uma expectativa gigantesca, depois de ouvir mais de uma vez que ele é a "minha cara"... aí, quando vi, acabei não gostando muito... até porque eu estava esperando algo que fosse mudar a minha vida. mas, roubando de uma review que li aqui no letter (do marcelo), tem algo na "cosmovisão" dele que é fascinante... e quando lembro de algo da narração ou dos tecidos esvoaçantes acabo gostando mais...

  • Gabbeh

    14.Gabbeh

    não lembro nada desse filme, mas lembro que adorei as cores e tapetes e poemas. poderia colocar o Um Momento de Inocência, mas acabei colocando Gabbeh, os dois na verdade estão ocupando esse lugar na lista que não é dedicado a um filme mas às composições do Mohsen.

  • A Brighter Summer Day

    15.A Brighter Summer Day

    nunca antes poetificaram tão bem o feminicídio
    (para ser justa, o sofrimento e estupidez injustificável dos meninos)

  • Chungking Express

    16.Chungking Express

    tenho a impressão de que esse filme virou uma marca de cinefilia ingênua, é quase como falar que gosta de Amelie Poulain lá pra 2013, mas só de lembrar dos takes de longa exposição ou da Faye Wong respirando, quem liga? fui ao cinema duas vezes para ver... ele mora no meu coração

  • The Wind Will Carry Us

    17.The Wind Will Carry Us

    recentemente revi dois filmes do Kiarostami que havia visto há alguns anos e assiti outros dois dos anos 90. sinceramente, nenhum deles vibrou especialmente comigo. os encontros com os filmes dependem muito do temperamento dos dias... tenho certeza que um filme não é sempre o mesmo, são bichos metamórficos, trapaceiros...
    mas escolhi colocar esse aqui na lista porque me lembro da impressão que ele me causou quando o vi pela primeira vez. era noite, eu estava andando pela rua em direção ao metrô, e reparei que estava passando alguma coisa ao ar livre no vão do MASP. parei para assistir e me lembro de como fiquei impressionada com todos os movimentos de subir e descer e entrar e sair. o branco daquela arquitetura, o amarelo da estrada e a maneira como o menino carregava o pão ficaram gravados na minha memória, mesmo sem eu saber o nome do filme. principalmente, a sinuosidade da estrada, que ficava ainda mais impressionante por eu estar na rua. tinha o vento frio e o ruído de São Paulo, e a excitação de mudar os planos e parar para assistir um filme ao acaso. estava no terceiro ano do ensino médio, e naquela época pude explorar a cidade. logo em seguida entrei na faculdade, e aí fui deixando de frequentar o centro e entrei numa fase tão reclusa... esse relato agora virou pessoal. o cinema talvez seja muito mais essas coisas que qualquer outra coisa...

  • Tudo é Brasil

    18.Tudo é Brasil

    a primeira metade desse filme é tão RADIANTE que eu consigo perdoar o lero-lero cinéfilo do finalzinho. realmente, é um ensaio radiante.

  • São Jerônimo

    19.São Jerônimo

    o Bressane tem habilidade em fazer coisas tachadas de conservadoras se transformarem em traços bobinhos de amor (teoria de arte tem que ter uma coisa naif pra não ter uma coisa ufanista) ... cansei de escrever esses comentários, tipo, curto muito os experimentos teatrais e cinéticos e sonoros! é legal

  • Freeway

    20.Freeway

    sassy