Favorite films

  • Mon Oncle
  • Late Spring
  • La Commune (Paris, 1871)
  • A Class to Remember

Recent activity

All
  • Air Force

    ★★★★★

  • Ahed's Knee

    ★★★½

  • I Was a Male War Bride

    ★★½

  • The Tragedy of Macbeth

    ★★★★

Recent reviews

More
  • Air Force

    Air Force

    ★★★★★

    Muitos discordarão - incluindo, talvez, o próprio cineasta -, mas este é um dos melhores filmes de Hawks e um dos melhores filmes estadunidenses de guerra de todos os tempos. Os elementos de propaganda, que hoje parecem logicamente anacrônicos ou até repugnantes (o entusiasmo em atacar Tóquio), ficam quase totalmente submergidos sob a força do drama em cenários ora claustrofóbicos (o interior do avião), ora ermos (o Pacífico), que apenas enaltecem os fatores dramáticos; o mesmo vale para a força…

  • Ahed's Knee

    Ahed's Knee

    ★★★½

    Nadav Lapid é talvez o cineasta mais ensandecidamente visceral dos dias de hoje. Seus dois últimos longas, Synonyms (2019) e este Ahed’s Knee (2021), ambos internacionalmente premiados, são movidos por um senso de dilaceramento do ser que nos lembra os poetas ultrarromânticos do século XIX, ao se sentirem irremediavelmente exilados no mundo, em qualquer lugar que seja do mundo, párias incorrigíveis, bradando contra Deus e o universo, flertando com a vida e a morte na mesma medida, sem conquistar nem uma…

Popular reviews

More
  • The Red Light Bandit

    The Red Light Bandit

    ★★★★★

    Desta vez vou fazer diferente. Não vou falar sobre o filme. Passarei a voz ao próprio cineasta. E ponto.

    Manifesto

    1 – Meu filme é um far-west sobre o III Mundo. Isto é, fusão e mixagem de vários gêneros. Fiz um filme-soma; um far-west, mas também musical, documentário, policial, comédia (ou chanchada?) e ficção científica. Do documentário, a sinceridade (Rossellini); do policial, a violência (Fuller); da comédia, o ritmo anárquico (Sennett, Keaton); do western, a simplificação brutal dos conflitos (Mann).…

  • Sócrates

    Sócrates

    ★★★★

    A câmera sempre às costas do protagonista adolescente, perto dele o tempo todo (há pouquíssimos planos abertos neste filme), evoca algo de Gus Van Sant. Mas aqui o dado social do terceiro mundo fala mais alto. Muito mais alto. Grita. Em tempos de barbárie desavergonhada, é um acalanto este filme independente, humilde e forte, com foco tão próximo em um jovem negro, LGBT e periférico, que é como se o diretor quisesse nos grudar na pele dele, viver o que…